Notícias

Anda Frustrado no Trabalho?

Qual a primeira coisa que passa na sua cabeça quando o assunto é ir trabalhar? Por acaso, ao acordar para trabalhar a primeira coisa que passa pela sua cabeça é “Droga, mais um dia de trabalho”? Ou você se tornou um “reclamão” e seu hobbie virou criticar o emprego, os colegas e a organização em que trabalha?

Segundo pesquisas da 4Hunter Consultoria, 55% da população brasileira esta descontente com o atual emprego. A insatisfação em relação a esse assunto é cada vez mais crescente, hoje em dia, diferentemente de décadas atrás, o trabalho se tornou sinônimo de busca pela realização, satisfação e a felicidade, e não mais vislumbrado apenas como uma mera fonte de renda. Além disso, há uma constante cultura de comparação. Mas como assim? Isso mesmo, comparação, as pessoas têm o costume de comparar o seu trabalho e suas vidas com as dos outros, e geralmente acabam por considerar os seus próprios como ruins ou desinteressantes. Portanto, é necessária atenção redobrada quando o tema é insatisfação no emprego, atente-se aos sintomas e avalie bem qual decisão tomar. Mas, cuidado nem sempre a melhor saída é pedir demissão, é necessário pensar bem e ponderar todas as faces do problema. É comum quando surge a insatisfação culpar primeiramente a empresa por todos os problemas, no entanto, em certas situações as causas são externas, em alguns casos, o descontentamento esta intimamente ligado a maneira como o profissional encara o trabalho e a própria vida. Muitas vezes o trabalho e a frustração alusiva ao mesmo são apenas uma válvula de escape para outros problemas e demais insatisfações.

Mas como saber se este descontentamento realmente está ligado ao trabalho que exerce ou se há outros motivos que podem estar recaindo sobre a área profissional? O melhor caminho é o autoconhecimento, questione-se, pare e pense, realize uma autoavaliação e reflita se o problema é a empresa ou é você.

Alguns sintomas, podem evidenciar o descontentamento, confira:

  • Você acorda e fica triste ou irritado ao pensar que precisa trabalhar.

Este é um dos sintomas mais recorrentes da frustração. É um sinal clássico de que há algo errado. Porém, analise, pode ser apenas uma fase, um momento de estresse, fique atento se este é um sentimento corriqueiro ou esporádico.

  • Você anda impaciente com as coisas e colegas de trabalho.

Ficar sem paciência em certos dias ou ocasiões é considerado normal, porém se isso se tornar algo frequente, é hora de refletir sobre mudanças.

  • Você está entediado, não aprende nada novo.

Após um tempo, estar familiarizado com as tarefas é normal. Mas, analise a falta desafios lhe incomoda? Se sim, talvez chegou a hora de procurar por novos.

  • A sua rotina esta mais ligada a resolver problemas do que construir algo novo.

Algo esta errado se a sua rotina se resumir em “apagar incêndios”, isso lhe impede de exercer a sua verdadeira função além de atrapalhar no desenvolvimento de novos projetos.

  • Seu principal assunto é falar mal do chefe, dos colegas ou da empresa.

Só se reclama do que incomoda. Se as reclamações não cessarem é um sinal grave de que a insatisfação chegou ao seu ápice. Pense, mude, analise uma mudança de cargo, setor ou até mesmo de empresa.

  • Você considera que se empenhar é um desperdício.

Você não sente necessidade de melhorar ou até mesmo considera que a empresa não merece o seu esforço, pare, pois está na hora de mudar, reavalie o por que.

  • Você conta os minutos para ir embora e dá graças pela chegada do final de semana.

Se você é daqueles que chega à empresa já contando os minutos para ir embora ou fica aliviado ao chegar ao final de uma semana de trabalho e triste quando ela começa, é bom começar a encontrar um novo sentido para o seu trabalho ou um novo trabalho.

Mas, atenção, não tome decisões precipitadas, as vezes mesmo em meio a tantas frustrações  a melhor saída não é pedir demissão. Dependendo do caso você pode apenas transferir os problemas de um lugar para outro. Procure novas oportunidades e diferentes soluções, o importante é entender que não vai adiantar apenas trocar de emprego, também é preciso repensar a relação entre o trabalho e a função que exerce. Converse com um superior ou uma pessoa responsável pelo RH da organização da qual trabalha, informe o seu desejo por mudanças, demonstre que deseja passar por novos desafios, ou que gostaria de ser realocado dentro da empresa, talvez a sua frustração possa ser decorrente, simplesmente, de um descontentamento com o setor do qual atua, ou as atividades que exerce podem não ser as mais agradáveis a você. Mas, se ao final de tudo você decidir realmente pedir demissão, não encare essa atitude como algo negativo ou sacrificante, entenda que esse é um momento de transição, é uma fase de conhecimento tanto profissional como pessoal, encare como um tempo de potencializar a sua carreira profissional. Aproveite este momento para aumentar os seus conhecimentos, ou quem sabe aproveite até para mudar de área de atuação. Permita-se renovar e crescer, qualifique-se procure por cursos de qualificação e destaque-se frente a um mercado trabalho tão competitivo. E por que não, talvez, abrir seu próprio negócio?

Seja protagonista de sua própria historia e também de suas frustrações, não adianta ficar apenas culpando os demais, resolva suas insatisfações e tome as rédeas da sua vida, tome uma atitude, não deixe para depois.

Texto: Fernanda Sauer